Auto-hemoterapia em humanos

A auto-hemoterapia é uma prática terapêutica isoterápica, feita extraindo-se sangue venoso de um indivíduo, com sua posterior introdução no músculo do mesmo.

 

Esta técnica surgiu na França, no ano de 1911, e teve como criador o médico Francois Ravout, visando tratar a febre tifoide. Em 1938, com o objetivo de encontrar uma terapia eficaz para infecção, a auto-hemoterapia voltou a ser utilizada, uma vez que nessa época ainda não havia a disponibilidade de antibióticos.

Nos anos 30 já era sabido que o sangue possui a propriedade de combater infecções, e a implementação desta técnica foi uma tentativa (bem sucedida) de aumentar a defesa do organismo, injetando o sangue em locais afetados. Após resultados favoráveis, a auto-hemoterapia ficou conhecida por toda a Europa até a década de 1950, perdendo forças após a introdução de novos fármacos e o baixo interesse da indústria em um tratamento eficaz de valor extremamente baixo.

 

Os defensores da auto-hemoterapia indicam que a técnica aumenta a proporção de macrófagos pela medula óssea. O sangue aplicado no músculo funciona como um corpo estranho a ser rejeitado pelo Sistema Retículo Endotelial (SRE).  Enquanto houver sangue no músculo, o Sistema Retículo Endotelial está sendo ativado. Com esse aumento da defesa do organismo, faz-se uma limpeza total do organismo, eliminando, inclusive a fibrina, que é o sangue coagulado, além de outros agentes estranhos: como bactérias, vírus, células neoplásicas e fibrina.. 

A taxa normal de macrófagos é de 5% (cinco por cento) no sangue e, com a auto-hemoterapia, eleva-se esta taxa para 22% (vinte e dois por cento) durante 5 (cinco) dias. Do 5º (quinto) ao 7º (sétimo) dia, começa a declinar, porque o sangue está terminando no músculo. E quando termina, ela volta aos 5% (cinco por cento). Daí a razão da técnica determinar que a auto-hemoterapia deva ser repetida de 7 (sete) em 7 (sete) dias.

Esse é o funcionamento da auto-hemoterapia, um método de custo baixíssimo: basta uma seringa (descartável). O procedimento pode ser feito em qualquer lugar, porque não depende nem de geladeira - simplesmente porque o sangue é tirado no momento em que é aplicado no paciente, não há trabalho nenhum com esse sangue. Não há nenhuma técnica utilizada neste sangue, apenas uma pessoa que saiba puncionar uma veia e aplicar uma injeção no músculo, mais nada. O resultado é um estímulo imunológico poderosíssimo!

Auto-hemoterapia em gatos

Da mesma forma que a Auto-hemoterapia funciona em animais humanos, também funciona em animais não humanos ajudando a curar diversas enfermidades.

Eu, Daniel, responsável pelo Projeto Gatinho Zen, sigo como ativista pela divulgação da auto-hemoterapia como forma de auxiliar a cura e para a prevenção de doenças em humanos e animais. Há quase 3 anos, utilizo a técnica e temos ótimos resultados.


É importante lembrar que a "INDÚSTRIA" da medicina humana e animal ainda nega esta técnica, já que não existe interesse em admitir que a mesma funciona.

Antes de fazer o tratamento, sugiro assistir à entrevista de mais de duas horas do renomado Dr. Luiz Moura, que segue logo a seguir e depois procurar no Facebook os grupos de Auto-Hemoterapia para ver com os próprios olhos os relatos das curas. São grupos sérios, com médicos, enfermeiros e muitas pessoas relatando suas curas em tempo real. Lá, você pode conversar com diversas pessoas que podem compartilhar suas experiências.

Também está disponível aqui nesta página, um vídeo meu em uma sessão de
auto-hemoterapia que gravei para que mais pessoas possam ver.